kiaiTODOS SABEM O QUE É KIAI. Essa afirmação será realmente verdadeira? Quando vemos alguém soltando um grito ao executar alguma técnica dizemos que ele está soltando um KIAI. Na maioria dos livros ou artigos o KIAI sempre aparece como um grito, dado no momento do golpe, geralmente com um propósito psicológico.

Eu entendo como algo bem mais profundo do que isso. Esse artigo resume minhas pesquisas de muitos anos em busca do verdadeiro significado do KIAI, pois como Karateka que fui, me senti na obrigação de descobrir a essência desta técnica que é tão importante para as artes marciais japonesas. Agora me sinto na obrigação de dividir com você o que consegui compreender.

SIGNIFICADO

KIAI é uma palavra composta por dois ideogramas (veja a figura). O primeiro, KI, pode ser traduzido por espírito, sopro ou mais comumente, energia. Seria a energia universal que permeia e toma parte em todas as coisas. Seu ideograma é composto por um pote com grãos de arroz dentro, sendo cozidos ou fermentados, encimado por um símbolo de vapor. Isso demonstra a natureza insubstancial e energética do KI. O segundo, AI, siginifica harmonia ou mais precisamente, ficar junto. É formado por um telhado ou tampa sobre um receptáculo, mostrando a condição de se ficar “fechado” com alguma coisa ou ficar junto.

Como podemos perceber, KIAI significa “manter unida a energia”. Trocando em miúdos, KIAI pode ser entendido como a união entre o KI dos praticantes que se enfrentam, formando uma só entidade, como se estivessem dentro de um pote tampado (AI). Isso demonstra que seu significado é muito mais profundo e cheio de nuances do que se imagina. Procure refletir sobre esses dois ideogramas e você chegará ao seu significado com mais clareza.

ASPECTOS ENERGÉTICOS

Com base no seu significado podemos ter uma idéia mais clara de sua função: servir de ponte entre os oponentes, de modo a fazer o controle de um cair sobre o outro. Vamos ver isso com mais detalhes através do AIKIDÔ, uma arte marcial que é especialista no uso do KI. Os ideogramas de seu nome são os mesmos de KIAI, alterando-se apenas sua ordem. Com isso, acredito que a diferença entre AIKI e KIAI esteja na concepção do AIKIDÔ, que prega a “harmonia com o Universo” e, consequentemente, com o seu oponente. Dessa forma, AIKI seria o receptáculo cheio de KI, o praticante em harmonia universal, enquanto KIAI seria a construção de uma ligação entre os oponentes, com o KI, num combate. Logo, AIKI seria o repouso e KIAI sua dinâmica. Novamente o Yin e o Yang se manifestando! Realmente, num combate o Aikidoka está em harmonia com o Universo (AIKI) no início e ao projetar ou controlar seu oponente, mescla seu KI com o dele a fim de tornarem-se um só (KIAI). Ao se tornar um com o oponente, a vitória já está alcançada pois luta-se consigo mesmo.

O GRITO

Mas então onde fica o grito?

O grito que se escuta constantemente nas artes marciais japonesas e coreanas é uma forma de se liberar o KI para formar o “receptáculo” com o oponente e ao mesmo tempo funcionar como arma. Vamos por partes.

A respiração é de suma importância nas artes marciais, como é de conhecimento comum. É através dela que tiramos o KI do ar e controlamos o fluxo de energia em nossos movimentos, como por exemplo, quando expiramos ao mesmo tempo em que desferimos um golpe. Sempre que fazemos um esforço muito grande nós soltamos naturalmente um KIAI, sendo que na maioria das vezes isso não passa de um grunhido, como quando levantamos um grande peso ou quando os lenhadores cortam uma árvore. Esse som gutural não é produzido completamente na garganta mas parece vir de dentro, da barriga. Essa é a essência do KIAI! O som que emitimos deve vir da região abdominal, do HARA, e não da garganta e deve ser simultâneo com o golpe! O que vemos em muitos campeonatos de Karatê não passa de encenação para a platéia ou para dar a entender ao juíz que o golpe teve força. Balela! Não basta gritar, mas deve haver certas qualidades presentes, como veremos a seguir.

O KIAI COMO ARMA

Alguns autores consideram que todas as artes marciais japonesas que se utilizam do KIAI (e TODAS utilizam de uma ou outra maneira) deveriam ser enquadradas como KIAI JUTSU (A Arte do KIAI), dada a importância dele. Mas o KIAI não é apenas algo “esotérico” como a influência do KI de um oponente a outro, mas possui poder de produzir síncopes, estas comprovadas cientificamente. Sua força é tão grande que a arte do KIAI também é chamada de TOATE-NO-JUTSU (A Arte de Golpear à Distância).

Uma síncope é um estado clínico em que há perda mais ou menos completa da consciência e do movimento, com parada ou pelo menos diminuição das batidas cardíacas, da circulação e dos movimentos respiratórios. Tal estado pode ser induzido pelo KIAI, desde que executado da maneira devida. Observe o desenho esquemático do ouvido e suas ligações nervosas. Os nervos vegetativos do ouvido médio condensam-se em um plexo que se relaciona diretamente com os nervos pneumogástrico e simpático. O sistema simpático estimula os órgãos a ele associados enquanto o parassimpático atenua. O Pneumogástrico é um dos mais importantes nervos parassimpáticos, agindo sobre o coração, pulmões, estômago, intestinos, fígado, e outros órgãos. O nervo auditivo que parte do ouvido interno está em conexão direta com o sistema simpático. Qualquer estimulação do sistema parassimpático (como o pneumogástrico) causa uma queda da atividade dos órgãos, enquanto uma estimulação do sistema simpático acarreta uma estimulação. Como podemos perceber, esses dois sistemas agem antagônicamente.

Um estímulo muito intenso do ouvido médio pode provocar uma queda da pressão arterial, efeito que pode ser agravado com o mesmo fenômeno ocorrendo no ouvido interno. Assim, um som intenso e repentino incidindo sobre esses dois aparelhos delicados pode provocar uma síncope por diminuição da pressão arterial e dos batimentos cardíacos. Contam-se várias histórias de Mestres que podiam paralisar seus oponentes ou mesmo matá-los apenas com o poder de seu KIAI! Mas para que o KIAI seja eficiente são necessários alguns fatores:

            - Grito grave e gutural

            - O som deve nascer do HARA

            - A postura da voz deve ser observada. Um tom autoritário, firme, deve ser empregado ao invés de um grito muito alto

            - É preciso que o grito seja carregado de emoção

            - Deve ser súbito e intenso

            - A distância deve ser entre 0,80 e 1,50 metro do oponente (para maior eficácia)

O KIAI MEDICINAL

O KIAI também pode ser utilizado como agente estimulador na recuperação de praticantes que sofreram síncopes. O grito emitido nestes casos é mais agudo, agindo sobre o sistema nervoso simpático que estimula o sistema cardíaco, acelerando os batimentos, e sobre o circulatório, dilatando os vasos sangüineos. O KIAI pode ser emitido sozinho ou acompanhado de percussões no corpo do paciente. Tais técnicas são cuidadosamente estudadas e aplicadas numa arte denominada KUATSU.

CONCLUSÃO

Como pudemos ver, o KIAI está muito longe de ser apenas um grito. Muitas vezes, aliás, ele é silencioso (quando então é chamado de KENSEI). Grande parte das artes marciais chinesas são silenciosas mas possuem o KIAI. Já as coreanas o conhecem por KIHAP e as vietnamitas por HET, utilizando-o muito.

Espero que você não se engane mais com a aparente superficialidade do KIAI e estude e treine, treine, treine muito nesta que é uma das artes maravilhosas do Oriente e que está em processo de esquecimento.         

 

Gilberto Antônio Silva é jornalista, terapeuta e escritor. Estuda filosofias e culturas orientais desde 1977 e é autor de mais de uma dúzia de livros. É um dos maiores pesquisadores e divulgadores do Taoismo no Brasil, além da cultura oriental e artes marciais.

site: www.laoshan.com.br

Books!
Shop!
FacebookTwitterGoogle Bookmarks
Scroll to top